• Juliano Holanda (PE/Brasil)

    Juliano Holanda (PE/Brasil)

    Juliano Holanda (PE/Brasil)

    Nascido em Goiana, Zona da Mata Norte de Pernambuco, Juliano holanda é um dos nomes mais atuantes do cena musical do estado. São mais de 100 composições gravadas, participações em mais de 30 projetos e milhares de palcos pisados. Com seu trabalho solo, Juliano já se apresentou em diversos espaços e festivais como: a MIMO – Mostra Internacional de Música em Olinda, Festival de Inverno de Garanhuns e Festival de Literatura do Recife. Juliano, em seu recente trabalho (Pra saber ser nuvem de cimento quando o céu for de concreto), uniu os timbres e texturas vivenciados ao longo dos anos de estrada.

    4.2
    20h00
    Praça do Arsenal

  • Félix Robatto (PA/Brasil)

    Félix Robatto (PA/Brasil)

    Félix Robatto (PA/Brasil)

    O guitarrista e percussionista Félix Robatto é um pesquisador da música latino-amazônica que vem se destacando como produtor musical no cenário nacional e internacional. Seu trabalho mostra uma música contemporânea paraense construída a partir elementos da guitarrada, surf music, música latina e pop. Robatto integrou e fez a produção musical do álbum "Treme" (2011), da artista Gaby Amarantos, indicada ao Grammy Latino 2012 na categoria "Melhor Álbum de Música Regional ou de Raízes Brasileiras".

    4.2
    21h00
    Praça do Arsenal

  • DJ Dolores (PE/Brasil)

    DJ Dolores (PE/Brasil)

    DJ Dolores (PE/Brasil)

    Helder Aragão de Melo, mais conhecido como DJ Dolores, é um dos grandes expoentes da música eletrônica brasileira, revelado na eclosão do manguebeat dos anos 1990. Músico e produtor nascido em Sergipe, com raízes em Pernambuco, seu trabalho é marcado pela mistura dos bits com ritmos regionais nordestinos. Além de três álbuns de carreira – “Contraditório” (2000), “Aparelhagem” (2004) e “1 Real” (2008) –, também lançou trilhas sonoras para cinema, dança e TV. Fundador da Orchestra Santa Massa, criou outros projetos como Aparelhagem e o Blind Date, este último com o percussionista Naná Vasconcelos. Fez grandes turnês pela Europa e América do Norte, tocando em festivais como Glastonbury, Montreal Jazz Festival, Roslkilde, entre outros.

    4.2
    22h00
    Praça do Arsenal

  • DayCase - Hugo Linns (PE/Brasil)

    DayCase - Hugo Linns (PE/Brasil)

    DayCase - Hugo Linns (PE/Brasil)

    Hugo Linns é dono de uma prolífica e inquieta criatividade. Característica que, quando gera frutos tão positivos, é reservada apenas a um seleto grupo de músicos instrumentistas. Considerado por muitos de seus contemporâneos um dos principais de uma nova geração de instrumentistas pernambucanos, ele cria enquanto acompanha parte dessa geração nos palcos e nos estúdios.

    5.2
    13h00
    Paço do Frevo

  • Saulo Duarte e a Unidade (PA/Brasil)

    Saulo Duarte e a Unidade (PA/Brasil)

    Saulo Duarte e a Unidade (PA/Brasil)

    "Quente" é um disco que tem seu conceito no Brasil Amazônico em diálogo forte com a América Latina e Central com elementos como a cumbia e o reggae, interligados com a guitarrada, o carimbó e a lambada. O primeiro disco do grupo, radicado em São Paulo há cinco anos, teve produção de Carlos Eduardo Miranda e contou com a participação de Tulipa Ruiz. No "Quente", segundo trabalho da banda, foram envolvidos 26 músicos no processo de gravação e seus sotaques peculiares que vão de Belém a Nova Iorque, do Ceará ao Equador, de São Paulo a Cuba, do coração da mata ao PORTO!

    5.2
    20h00
    Praça do Arsenal

  • Sistema Criolina (DF/Brasil)

    Sistema Criolina (DF/Brasil)

    Sistema Criolina (DF/Brasil)

    O Sistema Criolina promove diversão e cultura, com atividades que já rodaram o Brasil e o mundo. À frente do projeto, Rodrigo Barata, Tiago Pezão e Rafael Oops fazem mais do que animar os palcos e as pistas, atuando em favor da diversidade cultural, ampliando o intercâmbio de artistas e o acesso à boa música. Lançou em 2013 seu primeiro disco autoral: Space Night Love Dance Laser. Um álbum criado por DJs e instrumentistas, viajando por temas estéreo-espaciais, tecno-boêmicos e eletro-românticos.

    5.2
    21h00
    Praça do Arsenal

  • Mungo's Hi Fi (UK)

    Mungo's Hi Fi (UK)

    Mungo's Hi Fi (UK)

    Mungo's Hi Fi surgiu na virada do milênio em uma época em que a cultura soundsystem estava na maré baixa. Por isso mesmo eles tiveram que cavar fundo para abrir espaço para trazer à tona o dancehall e reggae. O exemplo de pioneiros do soundsystem mostrou o caminho usando a mais recente tecnologia para construir pontes sobre o passado e presente na actual conjuntura. Como um bom navio, Mungo's Hi Fi cresceu com o apoio de MCs e artistas visuais que trabalham como uma equipe, contando com todas as suas forças e personalidades.

    5.2
    22h00
    Praça do Arsenal

  • Marcelo Jeneci (SP/Brasil)

    Marcelo Jeneci (SP/Brasil)

    Marcelo Jeneci (SP/Brasil)

    Um dos principais representantes da geração conhecida como "nova MPB", Marcelo Jeneci nasceu em São Paulo. Experiente instrumentista, começou a tocar ainda criança, graças a um desejo do pai pernambucano que confeccionava instrumentos. Além de cantor, Jeneci é compositor, pianista e acordeonista. Trabalhou com grandes artistas, entre eles Vanessa da Mata, Zé Miguel Wisnik, Chico César, Elza Soares, Caetano Veloso, Marisa Monte e Arnaldo Antunes. Em 2010, lançou seu primeiro álbum solo "Feito Pra Acabar", bastante elogiado pela crítica. Está no seu segundo disco de carreira, “De graça”, lançado no final de 2013 e indicado ao Grammy Latino.

    5.2
    23h00
    Praça do Arsenal

  • Radiola Serra Alta (PE/Brasil)

    Radiola Serra Alta (PE/Brasil)

    Radiola Serra Alta (PE/Brasil)

    É a eletricidade a serviço dos caboclos. É o resultado de quando duas entidades sobrenaturais de Triunfo (Sertão pernambucano), perdem o medo da energia elétrica e criam o duo Radiola Serra Alta com seu "eletrococo moderno", que traça um diálogo da dupla direto da cultura popular com a música eletrônica. Trajados de figuras tradicionais do Carnaval triunfense, a Veinha e o Careta, a dupla preserva a identidade em sigilo, com muita irreverência e energia. Utilizando-se da técnica da performance ao vivo (Live P.A), eles realizam espetáculos inusitados e surpreendentes, sempre em interação com o público.

    5.2
    23h50
    Praça do Arsenal

  • DayCase - Carlos Malta Duo (RJ/Brasil)

    DayCase - Carlos Malta Duo (RJ/Brasil)

    DayCase - Carlos Malta Duo (RJ/Brasil)

    Em mais um espetáculo de ousadia e virtuosidade, o músico Carlos Malta apresenta Solos na companhia de seus variados instrumentos acústicos - saxofones, flautas, pífanos, clarinetes - ligados a recursos eletrônicos, como pedais de looping e harmonizer, acionados pelo próprio artista, ao longo do show. O roteiro traz composições originais de Malta e clássicos da música brasileira, servindo como fio condutor para arranjos totalmente imprevistos.

    6.2
    13h00
    Paço do Frevo

  • Samba de Coco Irmãs Lopes (PE/Brasil)

    Samba de Coco Irmãs Lopes (PE/Brasil)

    Samba de Coco Irmãs Lopes (PE/Brasil)

    O grupo Samba de Coco Irmãs Lopes, são os precursores do coco de
    Arcoverde, família de brincantes com suas raízes fincadas na cidade desde 1916. O
    grupo é composto por 16 pessoas (jovens e adultos). O grupo é caracterizado por sua forte musicalidade, por composições que evidenciam a natureza, o amor, o mistério e contos do cenário sertanejo. A dança se diferencia dos outros grupos, porque retrata as evoluções da pisada do coco, que vão da marcação do toré, do trenzinho ao trupé atual.

    6.2
    20h00
    Praça do Arsenal

  • Mestre Vieira (PA/Brasil)

    Mestre Vieira (PA/Brasil)

    Mestre Vieira (PA/Brasil)

    Foi numa sessão de cinema em Belém, no início dos anos 1960, que Mestre Vieira, com 80 anos atualmente, decidiu trocar o bandolim e o violão definitivamente pela guitarra, depois de ver o instrumento pela primeira vez na tela. Joaquim de Lima Vieira, músico desde os 5 anos de idade, é criador do ritmo das beiradas da região amazônica. A guitarrada é fonte de inspiração e patrimônio cultural imaterial do Estado do Pará, a guitarrada tem sido referência para compositores e músicos interessados em pesquisar as sonoridades que nascem nas beiradas da região Amazônica. O ritmo contagiante, que influencia e dita tendências desde o final dos anos de 1970, foi criado pelo paraense Joaquim de Lima Vieira, que inicialmente o chamou de Lambada, gíria utilizada por um radialista de sua época.

    6.2
    21h00
    Praça do Arsenal

  • Cumbia All Stars (Peru)

    Cumbia All Stars (Peru)

    Cumbia All Stars (Peru)

    Cumbia All Stars é praticamente um tributo ao fenômeno da cúmbia, originalmente da Colômbia, mas que nas raízes nos subúrbios de Lima, capital peruana, até as terras distantes da Selva Amazônica, numa fusão com o rock psicodélico e outro ritmos latinos, adquiriu um novo formato através da mistura de melodias delirantes, guitarras virtuosas e ricas percussões, provavelmente essa última herança africana do estilo. A Cumbia All Stars é reunião dos mestres da cumbia peruana inovando e compondo novas melodias sem perder a essência da tradição.
    A Cumbia All Stars carrega o peso alegre de sua tradução literal para o Porto Musical: Festa!

    6.2
    22h00
    Praça do Arsenal

  • Lira (PE/Brasil)

    Lira (PE/Brasil)

    Lira (PE/Brasil)

    Lira é uma das figuras mais representativas pernambucanas do final da década de 1990 e início dos anos 2000. O idealizador do Cordel do Fogo Encantado, apresenta o show baseado em seu álbum de estreia homônimo, produzido por Pupillo (baterista do Nação Zumbi) contendo 12 faixas inéditas. Lira é a psicodelia elétrica construída através de guitarras, teclados, sintetizadores retrôs, percussão e bateria. Esta ruptura, no entanto, não suprime as referencias explicitadas pelo musico ao longo de sua carreira, que teve origem no teatro e na literatura de poetas e cantadores. Desse modo, pode-se dizer que nessa fase, Lira atinge um nível de excelência na elaboração das letras de suas canções de uma forma raramente vista em toda sua obra. Lira vem pro Porto com novidades do seu próximo álbum, que será lançado após o carnaval.

    6.2
    23h00
    Praça do Arsenal

  • Analog Africa (ALE)

    Analog Africa (ALE)

    Analog Africa (ALE)

    Analog Africa foi criado em 2006 como um selo. Desde então, viajou para 26 países da América do Sul, Africa e lançou 19 compilações musicais. Formado por Samy Ben Redjeb e Ben Redjeb, o selo estabeleceu-se como uma das principais fontes de discos de vinil africanos para DJs, produtores e colecionadores de todo o mundo. Ao vivo, Analog Africa traz a música africana e sulamericana dos anos 70 e 80, de uma forma inesperada do que se espera ouvir dos trópicos.

    6.2
    23h50
    Praça do Arsenal

  • DayCase - Saracotia (PE/Brasil)

    DayCase - Saracotia (PE/Brasil)

    DayCase - Saracotia (PE/Brasil)

    O universo do choro, jazz, samba e frevo percorridos pelos músicos Rafael Marques (bandolim de 10 cordas), Rodrigo Samico (violão de 7 cordas), e Marcio Silva (bateria). As influências artísticas abrangem Jacob do Bandolim, Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Hamilton de Holanda, Maestro Duda, Charlie Parker, dentre outros. A diversidade e o improviso são marcas registradas do grupo, cujo repertório é pautado pela apresentação de diversos gêneros musicais, em composições próprias e releituras, amalgamados pela improvisação jazzística. Irreverentes, inventivos e inquietos, os três jovens músicos passeiam pelo universo do choro e do jazz, transitam pelos caminhos do samba e do frevo e dão nova roupagem ao baião e à valsa.

    7.2
    13h00
    Paço do Frevo

  • O Terno (SP/Brasil)

    O Terno (SP/Brasil)

    O Terno (SP/Brasil)

    O Terno é uma banda de rock’n’roll de São Paulo formada por Tim Bernardes, 22 (voz e guitarra), Victor Chaves, 23 (bateria), e Guilherme d’Almeida, 23 (baixo). Na ativa desde 2009, a banda lançou em junho de 2012 seu primeiro disco, “66”, de forma independente. Desde seu lançamento, em show lotado no Auditório Ibirapuera em São Paulo, o disco foi considerado pelo jornal O Globo como "um dos mais impressionantes discos de estreia de uma banda brasileira" colocado entre os 25 melhores álbuns brasileiros de 2012 pela revista Rolling Stone Brasil e foi indicado, com o show de lançamento no AI, a categoria “Melhor Show Nacional” no Guia da Folha de São Paulo 2012.

    7.2
    20h00
    Praça do Arsenal

  • The Baggios (SE/Brasil)

    The Baggios (SE/Brasil)

    The Baggios (SE/Brasil)

    Formada na cidade de São Cristóvão, em Sergipe, o duo The Baggios completou 10 anos de carreira colecionando críticas positivas com seus álbuns e shows pelo mundo. Embebidos nas águas turvas e viciadas da música negra, os acordes envenenados da dupla misturam ritmos que vão do blues primitivo ao rock, não deixando de ser notada as influências regionais, sotaque forte e letras enraizadas com as questões de sua época e de sua gente, falando diretamente ao público. Com três EPs e dois álbuns lançados, a banda é uma das mais atuantes da cena independente brasileira. Já se apresentaram em mais de 35 cidades, acumulando sete turnês nacionais e apresentações em grandes festivais e eventos pelo país.

    7.2
    21h00
    Praça do Arsenal

  • Ska Maria Pastora (PE/Brasil)

    Ska Maria Pastora (PE/Brasil)

    Ska Maria Pastora (PE/Brasil)

    Formada em 2008, o Ska Maria Pastora é um projeto de música instrumental de músicos pernambucanos que possuem em comum o gosto pelo ska, reggae e naturalmente pelo frevo. Aproveitando a semelhança entre esses estilos, a banda fez do principal ritmo de Olinda a base melódica para a composição do Ska, provando que musicalmente estamos muito mais pertos do que pensamos das outras culturas. Com influências de Capiba, Spok Frevo Orquestra, Don Drummond e The Skatalites, a banda usa as harmonias de clássicos do frevo para envenenar a música jamaicana. “As margens do Rio Doce” é o nome do primeiro disco da banda, reunindo nove composições autorais, além de duas releituras para os clássicos do frevo “Cabelo de Fogo” (Maestro Nunes) e “Elefante de Olinda” (Clídio Nigro e Clóvis Vieira).

    7.2
    22h00
    Praça do Arsenal

  • Anelis Assumpção (SP/Brasil)

    Anelis Assumpção (SP/Brasil)

    Anelis Assumpção (SP/Brasil)

    Filha mais velha de Itamar Assumpção, ícone da chamada vanguarda paulistana dos anos 1980, a cantora, compositora e percussionista paulista Anelis Assumpção fez backing vocal para o pai, teve banda própria com amigas, a Dona Zica, até lançar seu primeiro álbum, “Sou Suspeita, Estou Sujeita, Não Sou Santa” (2011). Lançou, em 2014, seu segundo disco, “Anelis Assumpção e os Amigos Imaginários”, com apoio de um renomado time de instrumentistas – Bruno Buarque, Cris Scabello (guitarrista do Bixiga 70, banda revelação do Prêmio da Música Brasileira 2014), MAU e Zé Nigro – e com participações especiais de Céu, Karina Buhr, Thalma de Freitas e Curumin, flertando com o dub, reggae, afrobeat e a música de vanguarda.

    7.2
    23h00
    Praça do Arsenal

  • El Hijo De La Cumbia (ARG)

    El Hijo De La Cumbia (ARG)

    El Hijo De La Cumbia (ARG)

    Nascido no bairro de San Martin, em Buenos Aires, Emiliano Gómez é um dos novos representantes da sonoridade. O respeito as antigas tradições desde antes do seu nascimento associadas às batidas eletrônicas criaram o que o músico define como freestyle de ritmos, também nome do seu primeiro álbum. O artista inovou ao incorporar a cúmbia a estilos como o hip hop, reggae, dub e drum & bass. HDC mostra que a cumbia e os inúmeros estilos de origem africana podem ser mixados respeitosamente. que a música supera todas as barreiras das linguas e que não é apenas simplesmente a vontade de dançar e ouvir, mas também pra deixar a imaginação voar e se sentir livre.

    7.2
    23h50
    Praça do Arsenal

  • Jus Now (UK)

    Jus Now (UK)

    Jus Now (UK)

    Onde o Reino Unido e Trinidad colidem. JUS NOW é o encontro de dois músicos obsessivos: Interface (Produtor e DJ em Bristol, Reino Unido) e LAZAbeam (Percussionista e Produtor no Port of Spain, Trinidad). Abrindo fronteiras com a fusão da cultura caribenha tradicional e ritmos do undergound britânico, eles superam juntos as 4.500 milhas que separam as suas cidades através de um amor compartilhado pelos graves, rum e carnaval. Com bateria ao vivo, dançarinos e a participação do público, os shows possuem uma performance positiva e extremamente enérgica provando que JUS NOW está arrasando nas pistas de dança em todos os continentes.

    8.2
    01h00
    Downtown Pier